Minha lista de blogs

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Dia da Imprensa: há o que comemorar?

" A informaçaõ sempre à frente."

Dia 1* de junho é o Dia da Imprensa no Brasil em celebração a publicação da primeira edição do Correio Brasiliense pelo exilado Hipólito José da Costa em 1* de junho de 1808. Detalhe que, como ele estava no exterior, o jornal só chegou ao Brasil em outubro daquele ano.

Pandemia, crise política e econômica, desrespeito às instituições, ameaças à democracia. Hoje (1º de junho), Dia da Imprensa, há mesmo o que comemorar no Brasil? Pergunta difícil, com múltiplas respostas. No que toca à imprensa é possível responder sim e não. Primeiro, o sim. A mais importante lição da pandemia para o jornalismo brasileiro é o resgate de sua credibilidade pelo público. Em meio a tanta desinformação - as famigeradas "fake news" - onde buscar informação de qualidade, apurada com método e rigor? Nos veículos profissionais de mídia, como jornais, TVs, rádios e sites de notícias. Foi o que confirmaram duas pesquisas feitas em março de 2020.
 
Realizado com 10 mil pessoas em 10 países, incluindo o Brasil, o levantamento da Edelman mostrou que 59% dos brasileiros (64% no mundo) buscam informações confiáveis sobre a pandemia nos meios de comunicação tradicionais. Já a pesquisa do DataFolha, que ouviu 1.558 pessoas no país, chegou a conclusão semelhante: 61% dos entrevistados confiam nos programas jornalísticos de TV; 56%, em jornais; 50%, em rádio; e 38%, em sites de notícias. 
 
Esse é o lado positivo da pandemia para a imprensa. E o negativo? É o agravamento da crise sofrida pelos veículos de mídia, cujo modelo de negócios tradicional vem fazendo água desde o surgimento da internet, na segunda metade dos anos 1990. Com a queda na receita de publicidade, os meios têm tentado diversificar as fontes de renda, mas não tem sido suficiente para segurar os empregos nas redações, que encolhem ano a ano.
 
Há ainda um segundo aspecto negativo, que se contrapõe ao reconhecimento conquistado desde o início da crise sanitária mundial. É o processo de deslegitimar a imprensa, o jornalismo e os jornalistas. Quando autoridades públicas, como o presidente Jair Bolsonaro, e militantes políticos radicais investem contra a mídia, desqualificando o seu trabalho de informar a sociedade, não fazem mais do que atacar o mensageiro.  
 
Pior quando os ataques descem ao nível pessoal, como mostram dados coletados pela Abraji. Em 2019, houve no Brasil 59 registros de discurso estigmatizante feitos por agentes políticos e públicos contra jornalistas; em 2020, foram 39 até agora. Os casos de assédio virtual foram 30 em 2019 e chegam a 20 este ano. Desde a chegada da pandemia ao Brasil, a Abraji registrou 24 violações à liberdade de imprensa entre 1º de março e 21 de abril, sendo 13 ataques a repórteres, nove discursos estigmatizantes e dois assédios virtuais. 
 
No caso das jornalistas mulheres, a situação é mais grave, pois o assédio assume  contornos machistas e misóginos, como mostram os casos de Patricia Campos Mello e Vera Magalhães, entre tantas outras.
 
Apesar do cenário desalentador, o jornalismo vive e sobreviverá à pandemia. Seu papel de fiscalizar o Estado e os poderes seguirá, pois é vital a toda democracia. Ideal seria que a imprensa e seus profissionais fossem respeitados e tivessem um ambiente seguro para trabalhar, garantido pelo Estado. Aí, sim, se poderia comemorar o Dia da Imprensa em sua plenitude.


Cristina Zahar é secretária executiva da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

                        Blog do França
















Nenhum comentário:

Postar um comentário

EM JATAÚBA, 01 CURA E 04 NOVOS CASOS DA COVID-19 NAS ÚLTIMAS 24 HORAS.

07 casos suspeitos foram descartados. A Secretaria Municipal de Saúde, informa nesta sexta-feira (03-07), que nas últimas 24 horas, foram co...